Vários estudos comprovam como a interação com os animais pode ser uma forte aliada no processo pedagógico. Mas, hoje quero abordar especificamente a equoterapia como um recurso pedagógico para vencer as dificuldades de aprendizagem.

A Associação Nacional de Equoterapia define a equoterapia como um “tratamento terapêutico e educacional que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar, nas áreas de saúde, educação e equitação, buscando o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas com deficiência e/ou com necessidades especiais”.  Dentro do processo de aprendizagem, podemos afirmar que a utilização do cavalo melhora o nível de atenção e concentração dos discentes, bem como, o desenvolvimento do raciocínio e psicomotor.

O benefício vai além do educacional, mas com forte impacto nele, já que a equoterapia também auxilia na integração ou reintegração social, familiar e afetiva. Ou seja, uma criança com corpo e mente saudável, com um bom relacionamento familiar e afetivo, automaticamente, vai demonstrar um desempenho pedagógico melhor.

É inegável que todas as práticas de esportes impactam diretamente no desenvolvimento da criança. Mas os pais podem ficar atentos como a prática de esportes menos difundidos, especialmente nos centros urbanos, apresentam excelentes resultados para as crianças, especialmente, no desenvolvimento educacional. Afirmo isso não só como psicopedagoga, mas também como mãe de duas garotinhas que amam cavalos e que confirmam, diariamente, os progressos tanto no desempenho escolar, como social.

Por isso indico a equoterapia. Claro que deve ser uma prática pensada em conjunto entre os professores e pais, bem como aliada às preferências da criança. Além disso, é importante alertar que não só em hípicas se encontra essa terapia, mas, também, em algumas instituições para crianças e adultos.

There are currently no comments.